sexta-feira, maio 23, 2008

Yin e Yang

...ou como um dia péssimo, pode acabar em beleza:

4ª feira foi realmente um dia mau. Em termos de trabalho até nem me posso queixar muito, mas estive com um humor de cão de manhã até à noite. Um dia que começou logo às 6h20 da manhã, com a Mafalda a acordar, e a não mais dormir durante 2 horas. O resultado foi que andei refilona, com dores de costas, enfim... com uma enorme nuvem negra a pairar sobre mim - e o pior é que a fofas sentiu isso (também ela continuou chata e "asneirenta" - o que ainda por cima me obrigava a ter mais atenção na piolha).

Mas finalmente chegou a noite. Com o H. em casa, acalmo sempre. É ele o meu calmante, o meu porto seguro... sempre foi.

Depois de a Mafaldocas ter o banho tomado, e o pai idem aspas, este tratou de dar o jantar à piolhita, enquanto me calhava a mim (finalmente) o meu banho (eram quase 23h).

Coloquei-me debaixo do chuveiro, com água quentinha a correr, e senti-me tão cansada, mas tão cansada que pensei... "eu vou-me sentar"... e sentei.

E depois pensei "Então... já que estou sentada, tapava ali o ralo da banheira, e isto sempre ia enchendo"... e tapei.

(e agora tapem os olhinhos a quem é contra o desperdício de água)

...e a água correu, correu, e foi enchendo a banheira. Depois encostei-me e estive assim um pedaço... não satisfeita deixei-me escorregar, até poucar a cabeça no fundo da banheira, e tapar os ouvidos de água.

Estive assim uns (largos) minutos, e soube-me tão bem! Com os sons todos abafados pela água... dirão os mais entendidos que por momentos regressei ao útero da minha mãe. Talvez. O certo é que quando saí do banho, sentia-me outra. E realmente acabei o dia em beleza!

...e por isso aquela água toda, não foi realmente um desperdício. Lavou-me a alma, tirou-me o peso imenso do mundo que estava nas minhas costas, e dissipou definitivamente a malvada da nuvem negra que me havia perseguido todo o dia.

2 comentários:

João disse...

O início do dia foi mesmo para esquecer, mas ainda bem que acabou em "beleza"!

Quanto ao desperdício de água, agora sou mais protector de bens da natureza essenciais (a água incluída), mas não te posso chatear com o assunto, porque eu mesmo (quando era mais pirralho) também fazia isso e adorava, sempre gostei imenso da água (lava tudo!)

Abraço

Pedro disse...

Isso é quase uma reflexão literária!

É verdade que um bom banho nos lava toda a sujidade do corpo. Toda. Há dias que parecem ser um martírio e que, debaixo do chuveiro, me fazem sentir bem, relaxado, capaz...

Sabe bem, e ainda bem que o teu dia acabou bem!

(já agora, eu sou daqueles que nem acredita nem desmente essas coisas da vida... o yin e yang... Mas é daqueles assuntos que seriam de muita discussão!)