quarta-feira, maio 23, 2018

A Resignação

Vai finalmente chegar às livrarias o derradeiro livro de Luis Miguel Rocha, a obra que o escritor tinha em mãos quando o destino, pela mão dessa maldição que é o cancro, o levou.

Sempre achei que o livro já estaria concluído, e que seria rapidamente publicado pela Porto Editora após a sua morte, em 2015, mas pelos vistos não foi assim, e este trabalho tornou-se uma obra a 6 mãos, já que a obra não estaria completa, e a família do escritor acabou por convidar dois escritores amigos, Porfírio Pereira da Silva e Rui Sequeira, para escreverem o desfecho do romance, com base nas notas do autor, ficando assim explicado o porquê deste “atraso”, que tanto me intrigava.

Um título que lerei muito em breve, com um pouco de pena antecipada, por saber que não seremos brindados com obras futuras do autor, pois gostei bastante dos seus livros anteriores...




domingo, maio 20, 2018

46° Aniversário

...um pequeno almoço diferente para o aniversário do H. ❤️

Bom fim de semana!!! 🙃



terça-feira, maio 01, 2018

O Morcego - Jo Nesbo

Não pude deixar de me sentir um pouco desiludida com a minha primeira leitura de Jo Nesbo, este O Morcego, primeiro livro da série Harry Hole.

Como nunca tinha lido nada do autor, apesar de este não ter sido o primeiro livro da série a ser publicado em Portugal - como infelizmente vai acontecendo tantas vezes, resolvi começar a leitura por ordem cronológica.

Vim depois a saber que é mais ou menos de consenso geral que este não é um dos melhores livros da série, mas ainda assim fiquei, como já disse um pouco decepcionada. Estava à espera de um livro que me agarrasse à primeira, à imagem dos da dupla Lars Kepler, ou Hjorth & Rosenfeldt, que me deixaram rendida de imediato.

Já tinha visto - e gostado bastante d’ - o filme “O Boneco de Neve” baseado no livro homónimo de Jo Nesbo, também com Harry Hole como protagonista, mas esse é apenas o 7º livro da série, e como pretendo ler por ordem, ainda me faltam uns meses até lá chegar... talvez também por isso tenha achado que “O Morcego” me agradaria mais.

Resta-me continuar a ler a saga, e torcer para ficar mais fã à medida que for lendo! :)




sexta-feira, abril 27, 2018

Feriado

No feriado do 25 de Abril senti uma necessidade urgente de apanhar um pouco de ar, absorver um pouco da energia do sol...

Peguei numa das nossas cadeiras de campanha (daquelas coisas que duram a vida inteira, e que temos religiosamente guardadas na garagem), meti as minhas tralhinhas num saco, e fui lá para o jardim do condomínio....

O barulho dos carros, e dos sons das brincadeiras de algumas crianças abafei com uma playlist Spotify de sons da natureza, enquanto sentia a relva por debaixo dos pés.

Iniciei a leitura da saga Harry Hole de Jo Nesbo, cujos livros já aguardavam há algum tempo que me decidisse a pegar neles, e o certo é que após duas horinhas, senti-me absolutamente renovada.

Liberdade também é paz interior ❤️




Stranger Things

Há vida para alem do trabalho, da família, do ballet, dos livros. Se há algo que adoro fazer nos tempos livres é ver séries.

Há series de que já sou fã há alguns anos, mas que pouco de novo trazem, e que continuo a ver ...porque sim. Porque nos apegamos às personagens, às suas histórias.

No entanto fico empolgada quando descobro algumas das novas séries, que apesar de tanta coisa que já vi, ainda conseguem cativar e / ou surpreender - o que é obviamente cada vez mais difícil de encontrar, tanto mais “madura” vou ficando, e mais informação se vai armazenando neste fantástico disco rígido que é o nosso cérebro.

De momento estou absolutamente hipnotizada pela Stranger Things - apesar de ainda só ir no 2º episódio da 1ª temporada... a envolvência dos anos 80, da familiaridade com o elenco jovens - tipo Goonies (a comparação é impossível de evitar), os fabulosos actores (Wynona Rider que há anos não via!), o enredo que nos envolve, a banda sonora que adoro... enfim. H-i-p-n-o-t-i-z-a-d-a.




domingo, abril 22, 2018

Leituras soltas

...por vezes encontro-me nas minhas leituras, perante frases que me tocam e me deixam a pensar...

Esta é de o “Conclave” de Robert Harris, que tenho de momento em mãos.



quarta-feira, abril 11, 2018

A Mulher do Camarote 10 (leitura)



Acabada a leitura de “A Mulher do Camarote 10”, é altura de um minúsculo balanço.

Apesar de ter começado esta leitura num ritmo lento, por não haver nada na história que me prendesse verdadeiramente, a verdade é que a partir da página 145, o ritmo mudou, e não voltei - literalmente - a pousar o livro.

O balanço passou de um livro médio, para um livro bom, dentro do estilo.

O que mais me irritou? A capa do livro. Acredito que na ausência de um briefing em condições, deveria ser obrigatório para o criativo ler - pelo menos na diagonal - a obra que se propões espelhar na capa de uma publicação.

A verdade é que o cruzeiro onde se passa a narrativa, é um pequeno cruzeiro de luxo, com apenas 10 camarotes para convidados. Muito diferente do que vemos na capa do livro, que na verdade cria expectativas que não se verificam, e que me fez *mesmo* sentir enganada.

Nota 4 para Ruth Ware, pela sua história.

Nota 1 para António Pinto e para a Oficina do Livro, por uma capa que retratou o óbvio apenas a partir de um titulo, quando a narrativa não vai de encontro ao ilustrado. *BUUUU*

domingo, abril 08, 2018

Algo que me completa

Ter aula de ballet ao domingo de manhã, é para mim, absolutamente transcendente.

Adoro ter aulas de ballet, a qualquer dia, a qualquer hora, mas quando tenho - muuuuuito esporadicamente - aula ao domingo de manhã, é algo que me faz sentir absolutamente plena.

Bom domingo!!