domingo, agosto 31, 2008

Gelo Ardente

Antes de mais devo dizer que até agora este é o único livro desta série, em que notei a falta de rigor na cronologia de publicação dos livros em Portugal... Não que afecte a leitura do livro, mas já sei (e agora saberão vocês também), que numa das duas aventuras que faltam publicar, Austin apaixonar-se-á por uma brasileira que morrerá no final, para bem da causa dessa aventura (qualquer que ela seja).

Existem algumas constantes ao longo destes livros, a par das personagens e do mar claro... Parece que existe sempre alguém com uma grande cicatriz na cara (nem sempre um vilão), e ao estilo de James Bond, Kurt Austin tem uma paixão feminina diferente em cada aventura :) O humor do autor ao longo destas aventuras, confesso que também é uma coisa que me agrada - como se pode perceber por algumas citações que coloquei aqui no blog.

Neste livro em particular, o inimigo volta a ser a velha Rússia, ao estilo das aventuras passadas no tempo da Guerra Fria.

A imaginação de Cussler, é de facto prodigiosa, pois apesar de vários pontos em comum - afinal trata-se de uma série - cada aventura é bastante única, e surpreendente...

"- Sabes o que fazia antes das lagostas.
- Sim, eras professor na universidade em Orono.
- Isso mesmo. Era o responsável pelo departamento de ocanografia. Estudávamos a acção das ondas. Já ouviste falar da Tempestade Perfeita? Tens a onda perfeita a caminho. Pelos meus cálculos, vai chegar aí dentro de vinte e cinco minutos. Não me importa o que digas às pessoas do motel. Diz-lhes que há uma fuga de gás, uma ameaça de bomba, qualquer coisa. Mas leva-as para terreno alto. E fá-lo agora.
(...)
Algumas das pessoas que tremiam com o ar frio da manhã gritaram-lhe. Hower ignorou os insultos, saiu do carro-patrulha e deu alguna passos pela encosta que conduzia ao porto. Agora que a adrenalina acalmara, sentiu os joelhos a fraquejar. Nada. Olhou para o relógio. Passaram cinco minutos. E, com eles, iam os seus sonhos de reforma pacífica com uma pensão da polícia. Estou morto, pensou, suando mesmo com o frio que se sentia.
A seguir, viu o mar erguer-se no horizonte e ouviu algo que se assemelhava a um trovão distante. A gente da cidade deixou de gritar. A abertura do canal escureceu e o porto esvaziou até se ver o fundo, mas o fenómeno durou apenas alguns segundos. A água regressou com o barulho semelhante ao da descolagem de um 747 e o mar fez erguer o sbarcos de pesca acorados como se fossem brinquedos. Seguiram-se mais duas ondas, com segundos de intervalo, cada uma maior do que a anterior. Abateram-se sobre a costa. Quando recuaram, o motel e a doca tinham desaparecido."

...e daqui só se descansa quando se chega ao final do livro :)

3 comentários:

Canochinha disse...

Que chatice não publicarem as coisas por ordem! Se não fizesse diferença ainda era como o outro, mas assim...
Um dia destes, experimento Clive Cussler ;)

anaaaatchim! disse...

Canochinha, como tens gostos muito abrangentes, acho que deves experimentar sim... :)

Pedro disse...

Sem dúvida, talvez a próxima aquisição que farei da editora.

Essas cronologias trocadas são irritantes! =@ E não muito convidativas! Mas acontece muitas vezes por cá, e principalmente neste tipo de livros: Dan Brown, Daniel Silva, Clive Clusser para aproveitar, etc.